Projetos de futsal atendem crianças e adolescentes no Espaço Mestre 70 no Guamá

• Atualizado há 10 meses ago

A estreia da seleção brasileira no Mundial de Futsal, no início desta semana, realça a vontade e o amor pelo esporte em 125 crianças e adolescentes atendidas por cinco projetos de escolinhas no Espaço Esportivo e Cultural Mestre 70, no bairro do Guamá. As crianças de 8 a 16 anos praticam gratuitamente futsal em uma quadra ampla, com segurança e qualidade. O espaço, de competência da Secretaria Municipal de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel), tem aulas de futebol de salão nas manhãs e tardes de segunda à sexta-feira.

As escolinhas são realizadas em parceria com professores de educação física voluntários idealizadores de projetos para serem feitos no Espaço Mestre 70. Neste ano as inscrições estão encerradas. Um torneio interno entre as diferentes escolas está sendo programado para o mês de dezembro.

O jovem Romulo Silva, de 13 anos, que mora na comunidade do Riacho Doce, no bairro do Guamá, começou a participar de uma das escolinhas de futsal logo no início. “Foi há alguns meses que comecei aqui no projeto, alguns amigos que me chamaram para fazer parte”, declarou. Romulo joga como pivô e tem gostado do projeto.

“É um momento muito bacana, tira a gente das ruas e do mal que tem lá, além que futebol é muito legal”, afirma. 

O jovem garante que está aprendendo um pouco mais sobre o futsal e melhorando as habilidades para quem sabe um dia se tornar um profissional. “Devagar a gente vai aprendendo, devagar nós vamos conseguindo. Se Deus quiser eu chego lá”, sonha.

Outro jovem que tem aprendido muitas coisas além do futebol é Mauro Sullyvan Carvalho, de 13 anos, também morador do Guamá. A inspiração de Mauro é o jogador Neymar, da seleção brasileira de futebol, pelos vários dribles que faz. “Aprendi várias coisas como respeitar o adversário”, conta.

Para além dos ensinamentos futebolísticos, o que o professor do projeto Denis Miranda quer fazer é mostrar para os garotos que a disciplina, o respeito e a educação podem mudar as suas vidas. Denis é rígido e firme assim como um técnico profissional com aqueles que se dispersam no meio do treinamento. 

“A importância desse espaço são várias, mas vou destacar a oportunidade que a gente dá para esses garotos. Muitos são do bairro do Guamá, para eles treinarem em outras equipes têm que se deslocar, e muitos não tem condições financeiras de fazer isso. Tendo um espaço aqui como o Espaço Cultural Mestre 70, uma quadra dessa com grande infraestrutura, eles têm uma oportunidade de praticar o futebol de salão e quem sabe no futuro conseguirem algo melhor que mude a sua vida”, assegura o treinador.

Apoio às competições – Agora a equipe do professor Denis se prepara com mais empenho para A Liga Paraense Sub-15, e a Taça Belém Sub-14 e Sub-16 por contar com uma quadra cedida gratuitamente para o seu projeto.

“Antes de vir para cá eu pagava do meu dinheiro o aluguel de quadra. A gente sabe que o aluguel é caro. Pedia uma contribuição para eles e muitos não tinham, e até deixavam de vir treinar por vergonha. Eu dizia ‘venha treinar’ e aí eu pagava. Como consegui o horário aqui melhorou 100%”, agradece.

Segundo a coordenadora do Espaço Esportivo e Cultural Mestre 70, Amanda Pombo, a utilização do local pelas escolinhas de futebol de salão permitem atender à comunidade e desenvolvem várias habilidades nas crianças.

“As crianças aprendem disciplina, o respeito e melhoram o seu desenvolvimento motor pelo esporte. Elas veem perspectiva e sonhos nesses projetos, e com esse embalo a gente tira elas das ruas”, explica. A coordenadora informa que ao final deste ano uma avaliação interna será feita para mensurar o impacto dos projetos e planejar as ações para 2022.

Veja também